quarta-feira, 20 de setembro de 2017

PROJETO CONCERTO DAS ROSAS APRESENTA NOVO ESPETÁCULO DOMINGO NO GUAIRÃOConcerto das Rosas





A próxima apresentação do Concerto das Rosas, no próximo domingo, no Guairão. Estão disponíveis para entrevistas o presidente da Associação Amigos do HC, Pedro do Paula Filho, o diretor da Unicultura, Ricardo Trento, e a diretora artística do Ladies Ensemble, Fabiola Bach.  
A turnê do espetáculo “Concerto das Rosas” retorna a Curitiba no próximo domingo (dia 24) para uma nova apresentação no Grande Auditório do Teatro Guaíra, às 18h30. O projeto é organizado pela ONG Unicultura e pelo Grupo Orquestral Ladies Ensemble, em benefício da Associação dos Amigos do Hospital de Clínicas.

Será o terceiro concerto da turnê iniciada com sucesso em julho, com espetáculos de grande audiência em Ponta Grossa e no próprio Guairão, em Curitiba. O musical terá novas apresentações em outubro e novembro nas cidades de Medianeira, Cascavel, Foz do Iguaçu, Maringá, Londrina, Toledo e Francisco Beltrão.

De caráter cultural e social, o projeto prevê que parte do que for arrecadado com as apresentações seja destinado aos Amigos do HC para ações de apoio às mulheres com câncer de mama atendidas no Hospital de Clínicas da UFPR.

“Nosso foco são ações de arte e cultura aliadas ao desenvolvimento econômico. Além da formação de plateia, da ampliação do repertório cultural do público em geral, a arte também pode ajudar no desenvolvimento econômico gerando empregos e novas oportunidades de trabalho. No caso do "Concerto das Rosas", ainda há união da arte com a saúde”, diz Ricardo Trento, produtor cultural e diretor da Unicultura.

Na segunda apresentação do “Concerto das Rosas” no Guairão (a primeira foi realizada em julho deste ano), o Ladies Ensemble irá destacar um repertório especial: uma suíte de Carmen, de Georges Bizet; uma suíte do maestro Heitor Villa-Lobos; e as canções “Oblivion”, “Adiós Nonino” e “Fuga e Mistério”, de Astor Piazzolla, “Gabriel’s Oboe”, de Ennio Morricone, “Lígia”, de Tom Jobim, e “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso. A regência é do maestro Alessandro Sangiorgi, com a participação das solistas Maryanne Francescon, Ariadne Oliveira e Tálita Capra, e da bailarina de flamenco Blanca Hernando Barco.

“O Ladies Ensemble tem a proposta de tocar de Bach a Beatles e formar uma plateia ampla. Quando se fala em concerto, muitos já ficam com o pé atrás, mas mostramos um grande universo de canções, passeamos por todos os períodos da música. Com uma grande equipe de profissionais, apresentarmos um trabalho honesto e verdadeiro”, confirma Fabiola Bach, diretora artística do grupo formado por 20 musicistas das principais orquestras do Paraná, que tocam violino, viola, violoncelo, piano, contrabaixo, acordeon e percussão.

O “Concerto das Rosas” é realizado pela Trento Edições Culturais e viabilizado via Lei Rouanet de Incentivo à Cultura com patrocínio de Celepar, Compagás, Copel, Elejor, BRDE, Fertipar, Peróxidos, Unimed, Condor, Frimesa, Havan e Neovia, e com o apoio da Associação dos Amigos do HC, Cia da Roupa, Teatro Guaíra e Secretária de Estado da Cultura do Paraná.

Os ingressos para os concertos no Guairão estão à venda na sede dos Amigos do HC e também pelo Disk Ingressos, ao preço de R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada).

Serviço: Concerto das Rosas 
Local: Grande Auditório do Teatro Guaíra
Data: 24 de Setembro de 2017 (domingo) Horário: 18h30
Ingressos à venda na sede dos Amigos do HC (Av. Agostinho Leão Junior, 336 - Alto da Glória) e pelo fone 0800 6011010, e também pelo Disk Ingressos (www.diskingressos.com.br/evento/6129<http://www.diskingressos.com.br/evento/6129>), ao preço de R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada).

ALIANÇA FRANCESA COMEMORA LANÇAMENTO DE LIVRO DE GEORGE SAND, EM PORTUGUÊSFrançois, O Menino Abandonado



O romance François, O Menino Abandonado (editora Kazuá), de George Sand, pseudônimo da escritora francesa do século XIX, Aurore Dupin, será lançado em português, nesta quinta-feira (21/09), a partir das 17h, na Aliança Francesa. A tradução é de Liliane Mendonça, formada em Letras - Francês, pela UFPR.

Quando leu François, Le Champi, por recomendação da sua professora, a doutora em Letras pela USP e então professora da graduação na UFPR, Lúcia Cherem, a estudante apaixonou-se pelo romance campestre que conta a história do menino abandonado e depois adotado, que jamais se livrou do preconceito da sociedade.

No prefácio, Lúcia Cherem faz um apanhado sobre a autora francesa que adotou um cognome masculino para ser melhor aceita entre os intelectuais do século XIX. Contemporânea e muito amiga de autores geniais, como Gustave Flaubert e Honoré de Balzac,  Aurore Dupin é uma referência para as feministas do mundo todo por ter conquistado seu lugar numa época em que dificilmente a mulher vivia de seu próprio trabalho.

Programa
O evento conta com o apoio de Marcelo Almeida, do projeto Soirées Littéraires, criado para estimular o hábito da leitura e a formação de grupos de discussão literária, sempre com obras da literatura francesa e francófona. Os livros serão fornecidos e colocados à disposição dos leitores por meio de empréstimo. Na ocasião, o romance campestre de George Sand será discutido pelo grupo que já terá lido e se emocionado com a história de François.
Para reviver o ambiente da casa onde a autora costumava receber seus amigos famosos, em Nohant, interior da França, a Aliança Francesa programou um recital de piano, uma Soirée Littéraire à Nohant, com composições de Liszt e Chopin, com quem Aurore Dupin viveu durante nove anos. A partir das 17h, a tradutora, Liliane Mendonça, estará à disposição para autografar o livro que será comercializado no local.

A autora
George Sand influenciou também o célebre autor Marcel Proust, que teve a obra lançada em português entre suas leituras preferidas da juventude. O livro é citado em seu famoso Em Busca do Tempo Perdido .”Esse romance de Sand parece inspirar toda a obra de Proust”, disse Antoinette Fouque, estudiosa da autora.
Segundo Lúcia Cherem, “o texto de Proust revela intimidade com a alma feminina, doméstica, sensorial, muito semelhante com o que nos encanta em Sand”.

Serviço: Lançamento do livro François, o menino abandonado.
Data: 21 de Setembro de 2017, quinta-feira, das 17h às 20h.
Local: Aliança Francesa de Curitiba – Rua Prudente de Moraes, 1101, Centro.
Mais informações: Aliança Francesa: 41 3223-4427.

MY COMFORT INAUGURA NOVA LOJA NO PÁTIO BATEL



Reconhecida por seus artigos que unem conforto e inovação, a marca My Comfort chega ao Pátio Batel. A sétima loja da rede está localizada no piso L2 do shopping e reúne variado mix de calçados, bolsas e acessórios para diferentes ocasiões do dia e da noite, seja para curtir férias, uma festa, fazer uma aventura ou um momento de lazer. 
As coleções possuem inspirações internacionais e nacionais, mas sempre pensadas na mulher brasileira. Como está à frente das tendências, a marca adere ao conceito fast fashion, apresentando toda semana novas opções para as clientes.
Na primavera-verão 2018 da My Comfort, a força das pérolas e a beleza das pedrarias dão a tônica à sofisticada concepção de sandálias, mules, flats, plataformas, anabelas, oxfords, saltos finos e saltos bloco. Perfeitos para quem quer estar bonita e confortável para encarar uma rotina agitada ou uma ocasião especial.




Sobre a My Comfort
A marca faz parte de um grupo curitibano que atua há mais de 20 anos no segmento calçadista. Com uma gestão que passa de geração a geração, comandando toda a equipe com a mesma garra e entusiasmo dos primeiros dias. Essência, confiabilidade e transparência são princípios básicos do grupo.
Dedicada à mulher contemporânea, a My Comfort tem unidades em Curitiba na Rua XV de Novembro e nos shoppings Curitiba, Mueller, Palladium e ParkShoppingBarigüi. Está presente também em São José dos Pinhais, no Shopping São José.  

Serviço: My Comfort
www.mycomfort.com.br / @mycomfortcalcados
Unidade Pátio Batel
Pátio Batel – Av. do Batel, 1868 – piso L2 –  Batel
41 3015-0299.

EXPOSIÇÃO CORES DA CHINA INAUGURA NO SOLAR DO ROSÁRIO E INTEGRA A BIENAL



A exposição Cores da China abre neste domingo no Solar do Rosário
Parte integrante da Bienal de Curitiba, a exposição "Cores da China" tem abertura neste domingo (24/9) no Solar do Rosário. As obras, inspiradas pelo país asiático homenageado pelo evento, são assinadas pelas artistas plásticas paranaenses Daniele Henning e Raquel Frotta. Serão três salas que abrigam quadros e fotografias, até 22 de Outubro, com entrada franca.
Raquel Frotta segue uma linha expressionista nas cinco telas que leva ao Solar. Imagens como o símbolo do Tao e a conhecida moeda com o centro vazado são algumas das alegorias recorrentes em suas obras. "Cada tela traz um ícone que relembra a cultura chinesa", comenta a artista plástica sobre a temática da Bienal.  
Dois trabalhos de Daniele Henning são apresentados na mostra. "A Viagem da Formiga" explora a fotografia expandida. "Abordo a forma como estamos tratando a imagem hoje em dia, com a força das redes sociais, por exemplo", explica. Já nas oito pinturas sobre telas de "Formicletas", as ilustrações representam o aglomerado de bicicletas na China, imagem recorrentes daquela nação.
Currículos  
Com exposições nacionais e internacionais, Daniele Henning se destaca no cenário curitibano. Desde o início de sua trajetória, no fim dos anos 80, já participou de salões na Exposicion Bienalle D'art Contemporain Brèsilien em Paris (França), na Shangai International Contemporary Art Fair na China e no VII Certámen Internacional de Artes Plásticas em Córdoba (Espanha), entre outros. Raquel tem forte presença na capital paranaense, tendo passado pelos ateliês do Solar do Rosário com Carla Schwab e do Museu Alfredo Andersen, com Luiz Lavalle. Participou de exposições coletivas como a Exposição NÓS em Castro (PR) e A Arte em Verde e Amarelo em Ponta Grossa (PR), bem como individuais, como Vestígios Pictóricos e Spirukets, em Curitiba.
Curadoria  
As obras de "Cores da China" foram selecionadas pela curadoria de Regina Casillo e Lucia Casillo Malucelli. Regina foi a fundadora do Solar do Rosário em 1992. O espaço privado é voltado à valorização de arte e cultura com cursos, palestras, eventos e exposições. Em 2002, Regina foi condecorada com a Ordem do Rio Branco pelo Presidente da República e, em 2014, com a Ordem do Pinheiro do Estado do Paraná pelo trabalho cultural. Lucia, formada em Jornalismo, atua no trabalho cultural do Solar desde 1998, coordenando projetos e eventos ao lado da mãe nas atividades do espaço.
   
Cores da China - Exposição na galeria do Solar do Rosário 
ABERTURA: domingo, 24 de Setembro, 11 horas
DATA: de 24 de Setembro a 22 de Outubro.
ENDEREÇO: Rua Duque de Caxias, 4 - Centro Histórico, Curitiba - PR
VISITAÇÃO: de segunda a sexta-feira das 10h às 18h30, sábado das 10h às 13h e domingo das 10h30 às 14h.
INFORMAÇÕES: (41) 3225-6232 | www.solardorosario.com.br

SAN REMO PROMOVE LANÇAMETO DO LIVRO ABSTRATO, DE MARIANA CANET

O evento, em parceria com a fotógrafa, acontece nesta quarta-feira (20/09), no apartamento decorado do residencial de luxo da construtora, o BW Residence, no Batel

A San Remo promove nesta quarta-feira (20/09) o lançamento oficial do livro "Abstrato", da fotógrafa Mariana Canet. O evento, com horário das 11h às 19h30, acontece no apartamento decorado do BW Residence, o novo empreendimento de luxo da construtora, localizado na esquina da Bento Viana com a Avenida Visconde de Guarapuava. 
Durante encontro, Mariana fará a apresentação aos convidados do seu livro publicado em 2017, através da Lei Rouanet. ‘Abstrato’ é um volume fotográfico de 204 páginas composto pelas três coleções: Abstrato - O Limite do ConcretoAbstrato - Céu de Pedras e Abstrato - O Branco. O livro é bilíngue, português e inglês.
  

Serviço: Lançamento do livro ‘Abstrato’, de Mariana Canet
Quarta-feira (20/09), das 11h às 19h30
Apartamento decorado BW Residence, Rua Bento Viana, 1.141 – Batel - Curitiba. 

terça-feira, 19 de setembro de 2017

PAULO RICARDO VOLTA AO SHOPPING CURITIBA NO CONEXÃO

O cantor participa do “Conexão Shopping Curitiba” evento gratuito e aberto ao público, no dia 26 de Setembro

Paulo Ricardo traz para a capital paranaense, no dia 26 de Setembro, o seu novo trabalho, um show intimista de voz e teclado, que comemora os trinta anos de estrada, com sucessos da carreira solo e do RPM. O cantor se apresenta pela segunda vez no Shopping Curitiba, no projeto “Conexão”, realizado em parceria com a rádio Transamérica Light. A apresentação é gratuita e aberta ao público, todo mundo pode participar, ou seja, não é preciso ingresso para assistir o pocket show. 
Fotografia: Isabella Pinheiro. 
O artista faz uma mistura com o rock moderno do novo álbum, como o hit “Sexy”, “Anjo e Serpente” que é o mais recente, além de canções como “Imagine” e clássicos do RPM, "Revoluções por Minuto", "Alvorada Voraz", "Rádio Pirata", “Louras Geladas”, “London London” e "Olhar 43". Além disso, serão lembrados e homenageados também seus amigos Cazuza em "Exagerado" e Renato Russo em "Tempo Perdido".

A última apresentação do Paulo Ricardo em Curitiba foi inesquecível, uma legião de fãs participou do pocket show no ano passado. As músicas eram cantadas em coro no Largo Curitiba.

Desta vez, o palco será montado no meio do Shopping, no piso L2, em uma estrutura com fácil visualização e mais espaço para o público. A apresentação acontece em meio a Temporada Gourmet, evento gastronômico que reúne chefs de renome nacional.
Para a sessão de autógrafos, serão distribuídas 50 senhas, que devem ser retiradas no dia, a partir das 12h, na recepção do shopping, no piso L3. Mais informações no fone 41 3331 1717 (Rádio Transamérica Light).

Sobre o “Conexão Shopping Curitiba”
Com o objetivo de viabilizar encontros e aproximar artistas de seus fãs da capital paranaense, o “Conexão Shopping Curitiba” é um projeto musical gratuito e aberto ao público, resultado de uma parceria entre a Rádio Transamérica Light e o Shopping Curitiba.
As apresentações, bate-papos e pocket shows acontecerão mensalmente e serão transmitidos ao vivo na frequência FM 95.1 e pelas redes sociais da rádio, para todo o todo o país. Em três meses, já passaram pelo palco os artistas Juca Novaes, Jane Duboc, Sergio Sá, Paulinho Moska e a inglesa Jesuton.

Serviço:  “Conexão Shopping Curitiba” com Paulo Ricardo.
Quando: dia 26 de Setembro, às 18h;
Quanto: entrada gratuita e aberta ao público; não é necessário ingresso para participar; 
Local: Vão central do Shopping Curitiba (piso L2);
Autógrafos: serão distribuídas 50 senhas antecipadamente, a partir das 12h do dia 26, na recepção do Shopping Curitiba (piso L3).
Shopping Curitiba
Rua Brigadeiro Franco, 2.300 - Curitiba - PR
(41) 3026-1000 | www.shoppingcuritiba.com.br

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

CAIXA CULTURAL TRAZ A CURITIBA JOÃO BOSCO E HAMILTON DE HOLANDA

Gigantes da música brasileira celebram com o show “Eu vou pro samba”

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, de 22 a 24 de Setembro, o espetáculo Eu vou pro samba, com o cantor e compositor João Bosco e o instrumentista e compositor Hamilton de Holanda. O show inédito une dois dos maiores nomes da música brasileira contemporânea e celebra o mais festejado ritmo brasileiro.

Os artistas prepararam alguns de seus temas preferidos, em novos e personalizados arranjos que integram o violão (e a voz) de João com o bandolim de Hamilton. 

Trinta anos de vida separam os dois talentos que comovem o público, no Brasil ou no exterior a cada exibição, seja quando se apresentam sozinhos, seja quando se unem no palco para compartilhar a boa música brasileira. João Bosco acaba de completar 71 anos. Hamilton de Holanda fez 41. Cada um, a seu modo, construiu uma vitoriosa carreira que, neste momento, conflui nos acordes do samba.

“Nação”, “Coisa feita” entre outros sambas de João Bosco ganham renovados contornos ao lado de Ary Barroso (“Isso é Brasil”), Dorival Caymmi (“Milagre” e “Vatapá”) e outros compositores que contribuíram para esse gênero musical tão brasileiro e tão difundido no mundo.

João Bosco  
O mineiro nasceu em Ponte Nova e começou sua vida artística aos quatro anos. Em Ouro Preto, formou-se engenheiro civil. Em 1967, conheceu o poeta Vinicius de Morais e foi honrado com sua parceria em algumas canções. Em 1970, conheceu o poeta Aldir Blanc e os dois tornaram-se parceiros em mais de uma centena de músicas. 


Elis Regina gravou canções como "Bala com Bala", "O Mestre Sala dos Mares", "Dois pra Lá e Dois pra Cá" e "Caça à Raposa", todas fruto da parceria da dupla Bosco e Blanc. No disco “Linha de Passe”, em parceria com Aldir Blanc e o saudoso poeta e compositor Paulo Emílio, destacou-se a canção "O Bêbado e a Equilibrista" clássico da MPB e conhecida como hino da anistia política, foi gravada por Elis Regina e escolhida entre as 14 canções brasileiras do século.

Gravou sucessos como "Nação", gravada também por Clara Nunes, "A Nível de..." e "Siameses" com participação especial de Nana Caymmi.  Também compôs sozinho e com outras parcerias. Entre os destaques, "Papel Machê", em parceria com Capinam. Recebeu o prêmio de melhor música "Prêt-a-Porter de Tafetá" incluída no disco "Gagabirô". Fez turnês pelo Brasil e pelo mundo.

Lançou o disco "Cabeça de Nêgo", mais um álbum de sua nova fase. As palavras imitam cada vez mais os sons: as letras associadas à sonoridade da música, numa linguagem percussiva, visão ampla da negritude. A busca constante no processo de criação o leva a novos experimentalismos estético-musicais.

Passou a gravar com o filho, o poeta e ensaísta Francisco Bosco. Juntos, eles gravaram "As Mil e Uma Aldeias", disco com forte inspiração no universo árabe, criando uma profusão de ritmos. A parceria se consolida em seu 20º disco, “Na esquina”, com arranjos de Jaques Morelembaun.

Em 1998, foi o autor da trilha sonora criada para o novo espetáculo da Companhia de Dança Grupo Corpo – "Benguelê", trabalhando na elaboração da música com Paulo Perdeneiras e o coreógrafo Rodrigo Perdeneiras. A trilha do espetáculo foi registrada no CD "Benguelê".

Em 2004, ele e Aldir Blanc receberam o prêmio "Shell de Música 2004". Em 2012, para celebrar seus 40 anos de carreira, João lançou "40 anos depois", em CD e DVD, reunindo sucessos de seu repertório e vários convidados especiais como Chico Buarque, Milton Nascimento, João Donato, Roberta Sá, Toninho Horta, Trio Madeira Brasil e Cristóvão Bastos. Foi o grande homenageado do 23º Prêmio da Música Brasileira, maior premiação da música no Brasil.

Hamilton de Holanda
Hamilton de Holanda tem 36 anos de música. Carrega na bagagem a fusão do incentivo familiar com o Bacharelado em Composição pela Universidade de Brasília e a prática das rodas de choro e samba. Por tudo isso, Hamilton de Holanda transita com tranquilidade pelas mais diferentes formações e passeia por diversos gêneros.

Há 17 anos, ele adicionou duas cordas extras, 10 no total, reinventando o seu bandolim, aliando a velocidade de solos e improvisos. Hamilton busca uma música focada na beleza e na espontaneidade. Recebeu, por unanimidade, o prêmio de melhor instrumentista na única edição do Icatu Hartford de Artes 2001, nas categorias erudito e popular.

O bandolinista foi diversas vezes nominado ao Latin Grammy, sendo premiado nas duas últimas edições: em 2016, na categoria Melhor Disco Instrumental com ‘Samba de Chico’ e, em 2015, na categoria Melhor Canção Brasileira com “Bossa Negra”, parceria com Diogo Nogueira e Marcos Portinari. Oito de seus discos configuram nas listas de indicações do prêmio.

Ele se apresenta em eventos e festivais de grande importância no Brasil e no Mundo. Já dividiu o palco com nomes como Wynton Marsalis, Hermeto Pascoal, John Paul Jones (Led Zepellin), Milton Nascimento, Chico Buarque, Chucho Valdes, Egberto Gismonti, Zeca Pagodinho, Stefano Bollani, Djavan, Richard Galliano, Marisa Monte, Alcione, Maria Bethânia e Seu Jorge, entre muitos outros, além de uma noite singular com os músicos do Buena Vista Social Club.

Serviço: Música: Eu vou pro samba – João Bosco e Hamilton de Holanda
Local: CAIXA Cultural Curitiba, Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Data: 22 a 24 de Setembro de 2017 (sexta a domingo)
Horário: sexta às 20h, sábado às 19h e 21h, domingo às 18h e 20h
Ingressos: vendas a partir de 16 de setembro (sábado). R$ 20 e R$ 10 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.
Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sábado, das 12h às 20h, e domingo, das 16h às 19h)
Classificação etária: livre para todos os públicos
Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes).



CAIXA CULTURAL CURITIBA RESGATA A OBRA DE FARNESE DE ANDRADE

Mostra apresenta um conjunto de assemblages e objetos do artista mineiro, um dos ícones da arte brasileira

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, de 20 de Setembro a 19 de Novembro, a exposição Farnese de Andrade – Arqueologia Existencial. A mostra reúne um conjunto de obras pertencentes a coleções particulares e dos herdeiros do artista, mapeando sua produção ao longo dos anos 1970, 1980 e 1990. A exposição revela a linguagem única e singular do artista, mostrando sua personalidade e trajetória fundida com as fases de sua obra. Na noite da abertura, dia 19 de setembro, o curador Marcus de Lontra Costa estará presente. A mostra prevê recursos de cor, som e iluminação para acentuar as características dos trabalhos e proporcionar ao público um clima lúdico e intenso.

Farnese de Andrade (1926-1996) é considerado um dos mais expressivos artistas de sua geração. A exposição na CAIXA Cultural propõe o resgate de sua memória através de uma mostra abrangente e relevante. O artista contribuiu de forma decisiva para a história da arte brasileira e agrega valores internacionais na construção das questões vanguardistas do século XX.

Com uma produção ininterrupta participou de diversas bienais no Brasil e no exterior e suas obras hoje são disputadas entre grandes colecionadores. Farnese é um dos mais valorizados artistas brasileiros e tem obras nas maiores coleções particulares e museus do Brasil e do mundo, como: Coleção de Arte Latino-Americana da Universidade de Essex, na Inglaterra, Instituto de Arte Contemporânea de Londres, MAC Niterói (RJ), Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA), MAM RJ, Museu Nacional de Belas Artes e MAM SP, entre outras.

Além de obras, a mostra apresentará o filme “Farnese” (1970) do cineasta Olívio Tavares e Araújo – premiado como melhor curta-metragem no Festival de Brasília, em 1971, e único filme latino-americano selecionado no Festival de Cannes, em 1972. Também será exibido um vídeo contendo uma entrevista com o curador Marcus Lontra e textos/poemas que ajudam a elucidar a trajetória e os fundamentos artísticos de Farnese de Andrade.

Múltiplo Farnese 
Farnese de Andrade foi um artista múltiplo, cuja produção, vida e arte se enlaçam de maneira inseparável dando origem a uma obra densa, de caráter fortemente autoral. Começou sua carreira como desenhista e gravador e, a partir de 1964, cria objetos ou assemblages com cabeças e corpos de bonecas, santos de gesso e plásticos, todos corroídos pelo mar, coletados nas praias e nos aterros. Passa a comprar materiais como redomas de vidro, armários, oratórios, nichos, caixas e imagens religiosas em lojas de objetos usados, de antiguidades e depósitos de demolição. Utiliza com frequência velhos retratos de família e cartões-postais, e começa a realizar trabalhos com resina de poliéster, sendo considerado um pioneiro da técnica no Brasil.


Apontado como dono de uma personalidade difícil e de um trabalho marcadamente autobiográfico, Farnese revelou nas obras sua densa trajetória pelas memórias de infância, do pai, da mãe, dos irmãos, da sagrada família mineira e de sua fase oceânica, além de um certo aspecto libertário e transgressor, a partir de sua mudança para o Rio de Janeiro.

Enclausurado na própria solidão, expressou principalmente o embate dos seus medos, dores, tristezas, rancores, complexos, perdas, depressões, recalques, pânicos, relações, fetiches, libido, euforias e alguma alegria. A poética de Farnese de Andrade, pautada no inconsciente, contrasta com as de outras tendências do período, como as da arte construtiva e concreta. Construiu assim, uma obra na qual o lirismo oscila do concreto ao abstrato e o bruto consegue ser gentil.

Sua história 
Farnese de Andrade nasceu em Araguari. Entrou em 1945 na Escola do Parque de Belo Horizonte, onde foi aluno de Guignard e contemporâneo de artistas como Amílcar de Castro, Mary Vieira e Mário Siléso.

Quando mudou-se para o Rio de Janeiro, em 1948, trabalhou como ilustrador para o suplemento literário dos jornais Diário de Notícias, Correio da Manhã e Jornal de Letras, e para as revistas Rio Magazine, Sombra, O Cruzeiro, Revista Branca e Manchete, entre 1950 e 1960.

Sua primeira exposição individual de desenhos foi em 1950. Em 1959, começou a frequentar o ateliê de gravura do MAM RJ, onde estudou gravura em metal com Johnny Friedlaender e Rossini Perez. Produziu gravuras abstratas, com formas regulares e cores fortes. Nas matrizes, utiliza materiais encontrados nas praias, como pedaços de madeira cheios de sulcos.

Em 1965, realiza a série de desenhos Eróticos e inicia os Obsessivos. Bolsista do governo brasileiro, viajou em 1970 para Barcelona. Sua volta em 1975 rendeu frutos e a fama de Farnese fortaleceu a paisagem artística brasileira. Mas não é por seu trabalho na gravura, sempre abstrato, nem como desenhista, seja abstrato ou figurativo, que ele é, hoje, conhecido e reconhecido, mas pela criação dos objetos chamados BoxForms, cuja matriz explodida e iconoclasta é o Barroco da sua infância. Oratórios, pedaços de madeira de igreja, ex-votos, etc. constituíram, até a sua morte, um mundo estranho, às vezes mórbido e com fortes referências eróticas. Resultado de uma infância secreta, a obra sempre onírica e poética dá força e senso a um trabalho sem igual.

Serviço: Artes Visuais: Farnese de Andrade – Arqueologia Existencial
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Galerias Mezanino e Térreo – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Abertura: 19 de Setembro (terça-feira), às 19h
Visitação: 20 de Setembro a 19 de Novembro de 2017
Horário: terça a sábado, das 10h às 20h, e domingo, das 10h às 19h
Ingressos: entrada franca
Classificação etária: livre para todos os públicos.


CARAVANA LITERÁRIA NO MÊS DA LITERATURA

Cinco autores participam do projeto Caravana Literária durante a semana 

Ao longo da semana passada, entre os dias 11 e 15 de Setembro, a Caravana Literária se realizou com a visita de cinco escritores a 9 cidades do interior paranaense. No total, até 23 de Setembro, 15 autores percorrem 30 municípios do interior do Paraná e da Região Metropolitana de Curitiba para falar sobre suas obras e temas ligados ao universo literário. Todos os eventos são gratuitos. 
Foto: LianePaz® 
EM PINHAIS, será dia 20 de Setembro, às 19 horas, informações pelo telefone: 41 3912-5637.

O escritor, tradutor e roteirista Santiago Nazarian abre a programação da semana nesta segunda-feira (11) com palestra em Apucarana. Na terça-feira (12), ele conversa com o público sobre sua produção literária em Cambé. Também nesta terça, o premiado escritor Milton Hatoum, autor do romance Dois irmãos, estará em Ponta Grossa e, na quarta-feira (13), em Carambeí.

A poeta Adélia Woellner e o escritor paulistano Flavio de Souza também fazem palestra nesta quarta-feira nos municípios de Almirante Tamandaré e Guarapuava, respectivamente. Já na quinta-feira (14), Souza estará em Pinhão, no centro-sul do Estado. Reinaldo Moraes, autor dos romances Tanto faz, Abacaxi e Pornopopeia, visita Toledo, também na quinta. O último evento da semana acontece na sexta-feira (15), com a presença de Moraes em Cascavel. 

Caravana
A Caravana Literária é uma inciativa da Biblioteca Pública do Paraná e faz parte da programação do Mês da Literatura, projeto da Secretaria de Estado da Cultura que, entre 24 de Agosto e 29 de Setembro, promove atividades de incentivo à leitura.

Cada um dos 15 autores escolhidos visita duas bibliotecas. As instituições selecionadas para receber os escritores abrangem as mais variadas regiões do Estado — dos Campos Gerais ao Sudoeste paraense — e são referências entre as quase 500 bibliotecas cadastradas no Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Paraná, coordenado e administrado pela BPP. Dessa forma, foram contemplados os municípios: Almirante Tamadaré, Apucarana, Barracão, Cambé, Carambeí, Campo Mourão, Cascavel, Cianorte, Guarapuava, Ivaiporã, Mamborê, Mandaguari, Morretes, Paranaguá, Paula Freitas, Pato Branco, Perobal, Pinhão, Pinhais, Piên, Ponta Grossa, Planaltina do Paraná, Rio Negro, , São José dos Pinhais, Terra Boa, Terra Rica, Umuarama, União da Vitória, Toledo e Vitorino.

Mês da literatura

As atividades do Mês da Literatura seguem até 29 de Setembro e, além da Caravana Literária, incluem contação de histórias, oficinas e a exposição itinerante “Palavras do Paraná”. A programação teve início no dia 24 de agosto, em Maringá, com o show “Leminskanções” — a data de abertura faz referência ao dia de nascimento do poeta Paulo Leminski (1944–1989).

Serviço

11 de setembro
Santiago Nazarian — Apucarana, 19h
Cine Teatro Fenix (Av. Curitiba, 1215, Centro)

12 de setembro
Santiago Nazarian — Cambé, 9h
Biblioteca Pública Municipal (Rua Pará, 161, Centro)

Milton Hatoum — Ponta Grossa, 19h30
Auditório do Colégio e Faculdade Sant'Ana (Rua Senador Pinheiro Machado, 189, Centro)

13 de setembro
Milton Hatoum — Carambeí, 10h
Biblioteca Municipal Keimpe Van Der Meer (Rua Da Prata, s/n)

Adélia Woellner — Almirante Tamandaré, 15h
Centro da Juventude (Rua Deputado Max Rosemann, 100, Cachoeira)

Flavio de Souza — Guarapuava, 15h
Biblioteca Pública (Rua Alcione Bastos, 211, Alto da XV)

14 de setembro
Flavio de Souza — Pinhão, 10h
Escola Municipal Frei Francisco (Rua Orquiza Caldas de Lima, s/n, Vila Caldas)

Reinaldo Moraes — Toledo, 19h
Biblioteca Pública Municipal de Toledo — Centro Cultural Oscar Silva (R. Tiradentes, 1165)

15 de setembro
Reinaldo Moraes — Cascavel, 15h
Biblioteca Pública Municipal de Cascavel (Rua

Programação completa: clique aqui.
Paraná, 2786, Centro)
Fonte: BPP

MUSEU ALFREDO ANDERSEN ABRE NOVAS EXPOSIÇÕES



No dia 21 de Setembro, às 18h, o
Museu Alfredo Andersen abre três novas exposições: “Diálogos Tridimensionais”, de Marcelo Monteiro, “Espaço Interno”, de Pauléte Cristiane e “Je ne sais quoi”, de Tita Pereira. As mostras permanecem no espaço até o dia 22 de outubro de 2017. A entrada é gratuita.

“Diálogos Tridimensionais” mostra como a produção artística de um mesmo autor se modifica com o passar do tempo e como essas transformações, seja na composição ou no estilo, são também inerentes ao momento em que a obra foi concebida. Esculturas em madeira compõe a exposição.

Na mostra “Espaço Interno”, a artista Pauléte Cristiane propõe um novo olhar para as coisas cotidianas, chamando a atenção para os detalhes, para a parte ao invés do todo. A exposição é composta por obras fotográficas e uma instalação interativa.

Já em “Je ne sais quoi”, Tita Pereira apresenta uma série de retratos com técnicas artesanais utilizadas pela artista para representar suas relações com as memórias de família, tempo e espaço. As recordações que dão origem a este projeto são do lado paterno da família da artista e são contadas a ela desde sua infância. A partir de então, ela tenta resgatar os rostos, as narrativas, a intimidade dessa família que nunca conheceu, mas que sempre esteve presente.

ServiçoAbertura das exposições “Diálogos Tridimensionais”, “Espaço Interno” e “Je ne sais quoi”
Dia 21 de Setembro de 2017 às 18h
Período expositivo: até 22 de Outubro de 2017
Entrada gratuita.  
Museu Alfredo Andersen
Rua Mateus Leme, 336. Curitiba-PR
Terça a sexta-feira, das 9h às 18h.
Sábado, domingo e feriado das 10h às 16h.
41 3222-8262 | 41 3323-5148

sábado, 16 de setembro de 2017

INAUGURAÇãO DA SALA HIMEJI NO MEMORIAL DE CURITIBA

Fundação Cultural de Curitiba inaugura, nesta segunda-feira (18/09), às 19h, no Memorial de Curitiba, a Sala Himeji. Na ocasião, também será aberta a exposição da maquete do Castelo de Himeji. O evento, que contará com a apresentação de grupo de dança japonês, marca o início das comemorações do Haru Matsuri, festival que celebra a chegada da primavera.
A maquete em exposição é a do Castelo de Himeji, considerado um Tesouro Nacional do Japão e um dos edifícios históricos mais visitados do país. Himeji é cidade japonesa irmã de Curitiba. A obra foi doada à cidade em 1997 e instalada na Praça do Japão.  

O castelo surgiu em 1346, na forma de um edifício de madeira. A configuração atual, com 82 edifícios, é de 1580. Tem uma só entrada, várias passagens secretas e seu exterior é todo branco. Também conhecido como “Castelo da Garça Branca”, o complexo é Patrimônio da Humanidade da Unesco desde 1993.
O evento tem o apoio do Palácio Hyogo, entidade japonesa presente em Curitiba e que abriga a Câmara de Comércio e o Instituto Cultural e Científico Brasil-Japão.

Sobre a Irmandade Curitiba-Himeji 
Desde maio de 1984, Himeji é cidade irmã de Curitiba. O documento de irmandade respeita e assimila as diferenças culturais. Faz avançar um produtivo intercâmbio, que aponta para a cooperação e a paz desejada entre os povos do mundo inteiro. Pode ser simbolizada na singela beleza de um origami, no profundo significado de um hai-kai, na suprema beleza de uma cerejeira em flor.

Serviço: Inauguração da Sala Himeji no Memorial de Curitiba
Local: Memorial de Curitiba – Rua Dr. Claudino dos Santos, 79 – São Francisco
Data e horário: 18 de setembro de 2017 (segunda-feira), às 19h
Entrada franca.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

XAMANISMO CURSO NO SOLAR DO ROSÁRIO


 
Um curso voltado a ensinar tradições culturais de nativos norte-americanos  tem data marcada no Solar do Rosário. A partir do dia 27 de setembro, as quartas-feiras da casa de arte e cultura contam com Xamanismo, uma parceria com a Escola Brasileira de Ciências Holísticas. As técnicas de povos antigos funcionam como instrumento para o autoconhecimento. As oito aulas, que acontecem das 19 às 21h, são ministradas pela terapeuta complementar Margareth Souza. O investimento é de duas vezes de R$ 350.
 
A primeira aula traz conceitos básicos do Xamanismo e introduz temas como as sete cerimônias sagradas, bem como a Cosmologia das Rodas, que remete aos ciclos naturais. O conceito de direções nos pontos cardeais, forte nesta cultura, é aprofundado ao longo dos encontros, bem como Animais de Poder, Jornada Xamânica, Bastão de Fala e cerimônias com ervas de defumação, entre outros. O curso é aberto a todos os interessados, não necessitando conhecimento básico do tema.
 
A terapeuta complementar Margareth Souza fala sobre todos estes conceitos do Xamanismo, uma de suas principais áreas de atuação. Ela passou mais de dez anos vivendo as instruções xamânicas em importantes locais do Brasil conhecidos por estudar esta área, incluindo três anos morando na Chapada Diamantina. Margareth atende em consultórios e também faz workshops e cursos de vivência criativa voltada ao autoconhecimento e cura interior.

Serviço: Curso Xamanismo no Solar do Rosário 
Data: Quartas-feiras a partir de 27 de setembro - oito aulas
Horário: Das 19h às 21h
Investimento: duas vezes de R$ 350
Endereço: Rua Duque de Caxias, 4 - Centro Histórico - Curitiba
Setor de Cursos: de segunda a sexta-feira das 11h às 20h e sábado das 9h às 13h
Informações: (41) 3225-6232 | www.solardorosario.com.br