segunda-feira, 6 de abril de 2015

BOSSA NOVA, SAMBA E BOLETO NO PROJETO + MÚSICA DO MON

O espetáculo “Cheio de Bossa” traz Leny Andrade e Zé Luiz Mazziotti

O Museu Oscar Niemeyer (MON) realiza dia 9 de Abril, quinta-feira, duas apresentações do projeto + Música. Os shows acontecem às 19h e às 21h, no Auditório Poty Lazzarotto, com capacidade para 372 pessoas. Esta segunda edição de 2015 traz o espetáculo “Cheio de Bossa”, com Leny Andrade e Zé Luiz Mazziotti. A entrada é gratuita e dá direito a um ingresso para visitar o museu.

Cheio de Bossa” traz um repertório de clássicos da bossa nova, do samba e alguns boleros nas vozes de uns dos maiores intérpretes da música brasileira.

Os convites podem ser retirados na bilheteria do museu a partir do dia 7/04, terça, das 10h às 18 horas, até o esgotamento. A bilheteria estará fechada apenas na segunda-feira (06/04).

Os objetivos do + Música são formar plateia, permitir o acesso de todos à música e proporcionar a troca de experiências de artistas locais com artistas de outros lugares do país. Também fortalecer a relação do público com o museu, por meio da integração entre as diversas formas artísticas. O + Música desta quinta-feira tem direção-geral de Rodrigo Fornos, direção musical de Fabio Cardoso, direção cência de Ane Adade e Rodrigo Fornos e produção da MPB Jazz Produções e Milena Buzzetti.


+Música
Criado em março de 2013 com a ideia de reunir artistas múltiplos (além de cantores, muitos deles são também atores, bailarinos, artistas plásticos, compositores), abordou inúmeros estilos musicais e recebeu grandes nomes, Célia, Zé Luiz Mazziotti, Vicente Ribeiro, Karol Conka, Michele Mara, Jeff Sabbag, Endrigo Bettega, Kátia Drumond, Ricardo Verocai, MUV, músicos latino-americanos, a velha guarda do jazz curitibano dos anos 1940 e 1950, como Gebran Sabbag, Fernando Montanari e Saul do Trompet para contar diversas trajetórias da música mundial.

Em 2015, o projeto integra o Plano Anual do Museu Oscar Niemeyer e tem patrocínio da Uega – Usina de Energia a Gás de Araucária. Além disso, o MON está preparando diversas atividades em outras áreas culturais que vão ocorrer no espaço ao longo do ano.

Leny Andrade
Considerada por muitos a maior cantora de jazz brasileiro, nasceu no Rio de Janeiro, em 25 de janeiro de 1943, e é uma cantora e musicista brasileira.

Aos seis anos de idade, Leny Andrade começou a tocar piano. Aos nove, entrou para o Conservatório Brasileiro de Música e aos quinze já se apresentava como "crooner" de orquestras.

Cantou com o trio de Sergio Mendes, Pery Ribeiro e o Bossa Três, com quem gravou o primeiro disco ao vivo. Enveredou pelo samba de vanguarda nos anos 70, com o disco "Alvoroço".

Em 79 gravou o LP "Registro", voltando ao samba-jazz. Cantando ao lado de artistas como Dick Farney, Luiz Eça, Wagner Tiso, Eumir Deodato, Francis Hime, Gilson Peranzzetta e João Donato, Leny Andrade firmou-se como a maior cantora brasileira de jazz, conhecida por sua notável capacidade de improvisação.

Nas décadas de 80 e 90 dividiu-se entre o Brasil e os Estados Unidos, onde gravou vários discos de samba-jazz, dentre os quais o clássico "Luz Neon".

Lançou também CDs em parceria com instrumentistas de prestígio, como César Camargo Mariano, Cristóvão Bastos e Romero Lubambo. Gravou ainda um CD apenas com standards norte-americanos, em ritmo de bossa nova.

A cantora é uma profissional na arte do improviso e brilhou com parcerias com João Donato e Dick Farney. Prestigiada, seu lançamento, Luz Neon, foi aclamado pela crítica e pelo público.

Leny Andrade teve vários hits nas paradas brasileiras, e em 2007 dividiu um Grammy Latino com César Camargo Mariano para Melhor Álbum MPB ao Vivo.


Zé Luiz Mazziotti
Cantor paulista de Rio Claro, começou sua carreira em 1966, no grupo vocal Canto4, que venceu o Festival da TV Record daquele ano interpretando "São São Paulo Meu Amor", de Tom Zé.

Na década de 70 passou a atuar na noite paulistana, cantando em diversas casas noturnas, como Jogral, Igrejinha, Casa Forte e Flag. Por volta de 76 entrou no mercado de jingles, através da produtora Zarana, que contava com nomes como Djavan, Ivan Lins, Marcos Valle e outros.

Mais tarde muda-se para o Rio de Janeiro e participa do Projeto Pixinguinha, cantando ao lado de mitos da MPB como Elizeth Cardoso, Ângela Maria e Jamelão.

Em 1979 grava seu primeiro LP, "Zé Luiz", pela Continental, com arranjos de Gilson Peranzzetta e Dori Caymmi e participação de Nana Caymmi. O segundo disco vem em 1981, "Sinais", pelo selo Independente. Três anos depois é a vez de "...E o Amor Falou", LP lançado pela Pointer e produzido por Nana Caymmi.

Na segunda metade da década de 80 passa anos radicado na França, onde participa de festivais de jazz e canta ao lado de artistas brasileiros.

O primeiro CD vem em 94, "Zé Luiz Mazziotti" (Perfil Musical), com produção da cantora Leny Andrade. Como produtor, trabalhou em discos de Eduardo Conde ("Íntimo"), Pedro Paulo Castro Neves & Michel Legrand e Cauby Peixoto ("Cauby Canta Sinatra").

A partir de 97 desenvolve um trabalho ao lado da cantora Célia, com quem participa dos espetáculos "Stravaganza" e "Ame". Com ela também lança em 2000 "Pra Fugir da Saudade" (Jam), dedicado ao repertório de Paulinho da Viola.

Serviço: + Música – “Leny Andrade & Zé Luiz Mazziotti – Cheio de Bossa
Data: 9/04/15 (quinta-feira)
Horário: 1º show – 19h
              2º show – 21h
Local: Museu Oscar Niemeyer – Auditório Poty Lazzarotto – Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico – Curitiba – PR
Entrada gratuita – os convites devem ser retirados a partir do dia 07/04, terça, na bilheteria do museu de terça a domingo, das 10h às 18h – vale uma entrada para visitar o MON até 09/05/15. A bilheteria do MON não abre às segundas-feiras.



Nenhum comentário: