ESPECIALISTA DÁ SUGESTÕES PARA PRODUTORES DO MERCADO DO AGRONEGÓCIO


Aditivo probiótico usado na alimentação favorece o desempenho animal, como ganho de peso e crescimento na produção de leite

A grande pressão encontrada, para a redução do uso de antibióticos como promotores de crescimento na produção animal, acarretou a necessidade de se buscar alternativas que viabilizassem a produção, atendendo assim, o crescimento da demanda de alimentos e as exigências do consumidor por produtos seguros e de superior qualidade. Desta forma, houve um aumento dos estudos relacionados aos aditivos probióticos, entre eles as leveduras, que são fungos benéficos utilizados na produção de alimentos.

De acordo com a analista técnica da Quimtia Brasil, Lidiane Maciel, empresa especializada em alimentação animal, acredita-se que o uso de leveduras na dieta dos ruminantes, tanto nas rações quanto nos suplementos oferecidos, tende a favorecer o desempenho dos animais, auxiliando no ganho de peso e na produção de leite. Entretanto é fundamental se atentar a escolha adequada das cepas de leveduras e suas concentrações, para garantir o bom funcionamento e ao êxito da produtividade.

Segundo ela, a espécie de levedura mais utilizada na nutrição de ruminantes é a Saccharomyces cerevisiae, a qual é frequentemente encontrada no ambiente ruminal. Entretanto, segundo ela, esse aditivo apresenta limitação em colonizar o trato digestivo, o que leva a necessidade de ser ingerida diariamente através da dieta.

Na nutrição animal pode-se encontrar as leveduras como um produto com grande número de células de S. cerevisiae vivas e sem meio de cultura – local onde os microrganismos se desenvolvem – ou como "cultura de leveduras", ou seja, um aglomerado de células vivas e mortas de S. cerevisiae junto com o meio de cultura”, comenta. 
Apesar de ser considerado um ambiente anaeróbico, o rúmen apresenta uma pequena quantidade de oxigênio proveniente do alimento e da saliva, o qual é tóxico para as bactérias anaeróbicas e age impedindo a adesão das bactérias celulolíticas à celulose. “Dentre os diversos benefícios do uso das culturas de leveduras, destacamos a afinidade da S. cerevisiae por oxigênio, a qual estimula o crescimento dos organismos que degradam celulose no rúmen e motiva sua atividade enzimática”, afirma a especialista.

As leveduras, também podem agir alterando a flora intestinal, a partir da ocupação dos sítios de ligação entre o epitélio intestinal e as bactérias benéficas formando uma barreira contra as bactérias patogênicas, levando desta forma, ao aumento de microrganismos benéficos e consequentemente a modulação do sistema imune e desenvolvimento da saúde do animal.

Ainda segundo Lidiane, “outra forma de ação apontada é a redução da concentração de ácido lático no rúmen, propiciando um pH mais estável, ambiente ruminal mais propício para o desenvolvimento das bactérias e principalmente um controle da acidose em animais no início da lactação, os quais ingerem dietas ricas em carboidratos não fibrosos e de rápida degradação ruminal”, finaliza a especialista.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

YOUTUBER REZENDEEVIL LANÇA LIVRO EM CURITIBA

SHOPPING PALLADIUM INICIA CAMPANHA DE DIA DAS CRIANÇAS COM BRINDE EXCLUSIVO

MASTER VENCE PROFISSIONAIS DO ANO NA CATEGORIA CAMPANHA REGIÃO SUL